A Adega do Chamon surgiu com o Projeto de Vinificação em Grupo em 2016, da relação de Douglas Chamon com 46 enófilos de diversos estados, que acompanhavam o seu trabalho de divulgação de vinhos e espumantes brasileiros, e aceitaram o convite de aportar recursos para a compra e processamento de 4 toneladas de uva na safra 2017.

Reunidos em um grupo de aplicativo de comunicação, os participantes recebem as informações técnicas (vídeos, fotos, áudios e textos) de todo o processo produtivo: avaliações das uvas nos parreirais, a vinificação, o amadurecimento em tanques e barricas de carvalho, o envase e a entrega dos vinhos.

A primeira experiência foi tão positiva, que gerou crescimento exponencial no segundo projeto da safra 2018, com 190 membros, 11 toneladas de 6 cultivares Vítis viníferas tintas. A qualidade dos vinhos destes primeiros projetos, verificada em degustações por todo o país, consolidou e ampliou o crescimento nos anos seguintes, com o Projeto da safra 2019 com 273 membros, arrecadação de R$ 280 mil, e processamento de 24 toneladas de dez cultivares (brancas e tintas), e o Projeto 2020 atinge 416 integrantes, aportes de R$ 476 mil para a compra de 40 ton de 13 cultivares, 3 brancas e 10 tintas (Chardonnay, Viognier, Sauvignon Blanc, Pinot Noir, Rebo, Barbera Piemonte, Touriga Nacional, Marselan, Cabernet Franc, Petit Verdot, Cabernet Sauvignon, Merlot e Tannat).

Uma das motivações de Chamon para o desenvolvimento do Projeto de Vinificação em Grupo é aproximar o consumidor da ciência da enologia e do vinho brasileiro, dando possibilidade ao participante de acompanhar a execução do produto e ter informações completas das questões técnicas e tipicidade do vinho que degustará.

O sucesso deste trabalho confirma que a união enologia ↔ enófilo tem um forte apelo na atração/encantamento do consumidor, que aprende e se sente parte da elaboração do seu vinho. Ao implantar este Projeto, Chamon busca superar uma frustração do período em que era enófilo, pois, apesar das inúmeras visitas a vinícolas no Brasil e no exterior e participação em degustações e palestras nas últimas duas décadas, sentia-se excluído da elaboração do vinho, do enólogo e da enologia.

“A vinificação em grupo é mais do que um processo produtivo. É uma relação de amizade ao redor do vinho brasileiro”. 


Clique no link abaixo e acesse o E-BOOK do ROJETO VINHO ADEGA DO CHAMON

https://cutt.ly/hoHCMgz


DOUGLAS CHAMON

Enólogo/Gestor

De Vitória – ES, graduado, especialista e mestre em ciências econômicas pela UFES – ES. Foi professor de graduação, pós-graduação e consultor de gestão de custos, financeira e de investimento de empresas. Enófilo e amante do vinho há 30 anos e enólogo pelo IFRS – campus Bento Gonçalves. Aos 20 anos foi apresentado ao vinho fino pelos enófilos Gerson Matedi e Wanderly Monteiro. Neste ano, ao primeiro vinho do Brasil, o Cabernet Sauvignon Baron de Lantier 1984, elaborado pelo respeitado enólogo Adolfo Lona. Desde então, o caminho como enófilo deu-se por degustações em confrarias e encontros informais com amigos e familiares, e por viagens a países produtores, conhecendo vinícolas na América do Sul e Europa. A ligação com os vinhos brasileiros ficou ainda mais forte por visitas às vinícolas da Serra Catarinense e da Serra Gaúcha. A primeira viagem ao RS foi em 1997, e posteriormente, quase todos os anos, até 2015, quando se muda para Bento Gonçalves – RS para cursar o superior de Viticultura e Enonologia no IFRS. O blog Adega do Chamon e todos os seus Projetos decorrem desta HISTÓRIA de apreço à qualidade e tipicidade do vinho brasileiro.


DANIEL GARBIN

Enólogo

Nascido no Vale dos Vinhedos, Bento Gonçalves-RS, técnico e tecnólogo em Enologia e Viticultura pelo IFRS- Campus Bento Gonçalves. Desde a infância teve contato com os parreirais da família, sobretudo, das variedades Vitis labruscas, conhecidas como uva comum. O seu interesse pela enologia levou - o a conhecer as cultivares finas, Vitis viníferas, e o estudo no IFRS e a vivência nas cantinas solidificaram esta tendência. Com atuação nas vinícolas Peculiare Vinhos Únicos, Union Destillery Maltwhisky do Brasil e Mena Kaho, quando apresentado à proposta do Projeto de Vinificação em Grupo por Douglas Chamon, abraçou-a com satisfação, com a certeza de que o projeto ia ao encontro de seu propósito de elaboração de vinhos de alta gama.